A QBonecas Magazine entrevista a Artista Reborn Adriana Nicolodi

domingo, 12 de fevereiro de 2017



Nascida em Porto Alegre, RS – Brasil, Adriana é uma artista reborn que vive na cidade da Maia, Porto - Portugal.  Ela conheceu esta arte em meados do ano 2000, mas foi apenas em 2013 que Adriana decidiu tornar-se uma artista reborn.

Fazer o que se ama é no mínimo, meio caminho andado para o sucesso! Adriana Nicolodi não desistiu e foi em busca da realização do seu sonho. O que começou como um hobby, logo se transformou em um trabalho bem-sucedido e prazeroso.

Adriana tem conquistado não só o seu espaço no mercado, como também, admiradores e colecionadores de bonecas quase reais de todas as partes do mundo.

Veja o bate-papo que a Qbonecas Magazine teve com esta talentosa artista reborn.

QBonecas Magazine: Gostaríamos de saber um pouco mais sobre quem é a Adriana Nicolodi. Quando e como você conheceu a arte reborn e despertou o interesse em tornar-se uma “cegonha” ?
Adriana Nicolodi: Bem, eu nasci em Porto Alegre, no Brasil e hoje devido a minha dupla cidadania (Italiana) resido em Portugal, na Europa. O meu primeiro contato com a arte reborn foi em meados do ano 2000 no Brasil, onde através de uma reportagem na televisão eu me encantei ao ver aquelas bonecas que pareciam bebês de verdade. Lembro-me que fiquei fascinada, não piscava os olhos prestando atenção em toda explicação. Até hoje, lembro-me deste dia como se fosse ontem.

O mais curioso é que, ao contrário do que muitos pensam, eu não pensei em comprar um bebê reborn para mim, mas sim, tive a convicção que queria aprender a fazer aquelas bonecas. Achei tão fantástico, que aquela vontade me acompanhou por anos. Obviamente, pesquisei sobre cursos e custos, mas praticamente não existia nada no Brasil naquela época e os poucos cursos que encontrei eram na Europa e EUA.

O tempo passou, mas aquele desejo sempre permaneceu comigo, foi quando, em 2013 resolvi que iria novamente pesquisar sobre os cursos, estava decidida. E, para minha grande alegria, encontrei um curso na minha cidade, de um artista maravilhoso que me ensinou os primeiros passos.

Eu ainda não tinha a menor noção que um dia faria bebês para vender, eu tinha apenas a vontade de aprender a fazer aquelas preciosidades. A venda aconteceu naturalmente, meio sem querer, pois as pessoas viam e queriam encomendar. Então, o que começou como um hobby e a realização de um sonho, hoje se transformou no meu trabalho, que tanto amo e sou grata por poder realizar o meu sonho e o de tantas pessoas que querem um “bebezinho” renascido.

QBM: Qual é o estilo de boneca que você mais se identifica e gosta de criar?
A.N.: Eu penso que todas as bonecas tem seus encantos, mas é lógico que nós, artistas reborn, nos identificamos um pouco mais com algum estilo especificamente. Particularmente, eu sou apaixonada por aqueles bebezinhos pequenos (de 16" a 18"), de olhinhos fechados, com carinha que acabou de nascer, estes são meus "xodós".


QBM: Qual é o maior desafio que você enfrentou em criar essas bonecas?
A.N.: Todos os dias surgem novas técnicas e materiais, eu creio que o maior desafio é não se deixar acomodar e estar sempre aprendendo e reciclando técnicas e conhecimentos. Hoje, aqui na Europa, tenho acesso a novos materiais e técnicas que antes eu não tinha, que me exige estudo diário e investimento constante em novos materiais. Para mim, o maior desafio é este, manter-se sempre atualizada, e principalmente, disposta a aprender todos os dias.



QBM: Em que momento você se sente realizada com o seu trabalho?
A.N.:  A arte reborn me realiza, num todo.
É difícil até definir o quanto pois realmente este trabalho é algo que me realiza plenamente. Mas, se eu tiver que escolher, há dois momentos que pra mim são muito especiais: Quando o bebê fica pronto, onde consigo ver cada expressão dele, cada detalhe que foi criado com tanta paixão e quando eu vejo a alegria das “mamães” com seu novo “bebezinho”, aliás, me sinto muito abençoada e grata por de alguma forma poder contribuir com um momento tão especial.

QBM: Quanto tempo leva para criar uma boneca reborn do tamanho de um bebê recém-nascido? Qual a parte que você mais gosta do processo de criação?
A.N.: Em média uma boneca de tamanho de um bebê recém-nascido com cabelinhos implantados levo em torno de 2 a 3 semanas para deixar pronto. Sobre qual parte da criação que mais gosto, é a parte da pintura em fase final, dos detalhes.


QBM: Onde as pessoas podem comprar as suas bonecas? Você aceita encomendas personalizadas? Qual é a média de preço para suas bonecas? Você oferece planos de pagamento? Você faz envio internacional e quais formas de pagamento você oferece para clientes internacionais?
A.N.: A compra deve ser feita diretamente comigo, contatando-me pelo meu site, página do Facebook ou e-mail.
Atualmente tenho feito mais bebês sob encomenda. As vezes tenho alguma boneca a pronta entrega, mas, devido ao número grande de encomendas que tenho atualmente, não tenho tido tempo para fazer bebês para compra imediata, porém, quando tenho alguma disponível, no meu site é sempre divulgado.

Sobre preços, eles variam de acordo com o molde, as características, tempo para confecção e tamanho, por isso, sempre oriento a me enviar um e-mail solicitando o orçamento e prazos para entrega. Mas, a média de preços é de 270 a 800 (para Europa) e de R$ 2.000,00 a R$ 6.000,00 para o Brasil.
A forma de pagamento é sempre em 2 vezes, 50% ao encomendar e o restante ao ficar pronta.
Para clientes que vivem fora da União Europeia o pagamento é sempre pelo Paypal e também em 2 vezes.
Vou aproveitar esta pergunta para salientar ao público internacional que ao encomendar uma boneca de outro país,  poderá haver taxas alfandegárias sobre o preço da boneca, por isso, é importante verificar as leis aduaneiras do seu país.

QBM: Que tipo de público te procura para encomendar bebês reborn?
A.N.: O público é bem diversificado, e de várias partes do mundo. Tenho clientes no Brasil, África, Portugal, Espanha, França, Holanda, Suíça e Bélgica. A maioria são adultos, com filhos crescidos e colecionadores. E, embora bonecas reborn não sejam brinquedos, há pais que compram para ofertar as filhas em alguma data especial.


QBM: Quem te acompanha sabe que você está sempre presente nas redes sociais interagindo com os seus fãs. Você tem canal no Youtube, Instagram e Facebook. Quais os tipos de pedidos e perguntas mais frequentes relecionadas a arte reborn que você recebe?
A.N.: O curioso, foi que a ideia de criar um canal no Youtube foi justamente pelo imenso número de perguntas parecidas que recebo diariamente e esta foi uma forma de tentar ajudar as pessoas a conhecerem um pouco mais sobre o mundo reborn e sanarem algumas dúvidas. Quanto as perguntas mais frequentes, eu destaco que sejam relacionadas aos cuidados com os bebês reborn, preços e também sobre as diferenças entre bebês de vinil e silicone.

QBM: Qual foi o momento mais especial que você  já vivenciou na arte reborn?
A.N.: Esta pergunta é difícil, pois já tive tantos momentos especiais que é difícil escolher apenas um. O momento da entrega de uma boneca reborn é sempre muito marcante, mas, vou compartilhar com vocês uma ocasião extremamente especial que aconteceu em 2014.

Desde criança, em época de Natal minha família sempre teve o costume de fazer doações de alimentos em asilos, cresci com esta cultura e segui fazendo estas visitas natalinas.

Em dezembro de 2014, visitei um asilo no interior do Rio Grande do Sul, onde uma das internas, uma senhora com mais de 80 anos estava quieta e isolada com uma boneca de plástico, toda remendada no colo, eu perguntei para um enfermeiro, o porquê que aquela senhora não ficava junto com demais internos, e soube que ela não recebia visitas de familiares há mais de uma década e a sua “família” era aquela boneca, que se chamava Maria. Via-se que ela tinha algum transtorno psiquiátrico, mas, o amor que ela tinha ao pegar e tratar daquela bonequinha me comoveu de tal forma, que voltei no dia seguinte com uma bebê reborn que eu havia feito para vender no Natal e dei a ela de presente. Ela não entendeu muito bem, pois me perguntava se podia “pegar” na bebê. Até que aos poucos ela a pegou nos braços e abriu um sorriso tão grande que muitas pessoas que estavam na volta foram as lágrimas. Este, certamente foi um momento muito, mas muito marcante na minha vida.

QBM: Você pode dar mais informações sobre seus cursos presenciais de arte reborn que você oferece no seu site para aqueles que tiverem interesse?
A.N.: Claro! O curso presencial que ministro de forma particular é voltado exclusivamente para iniciantes. No curso ensino técnicas de pintura realística, uso dos materiais, onde adquirir materiais originais, fornecedores e manuseio do forno. O curso tem duração de 5 a 7 dias e a aluna sai com a sua boneca feita por ela.




QBM: Você comentou com a nossa editora que planeja lançar DVDs que ensinem o passo a passo de como pintar tons de pele caucasiana para bonecos reborn. Conte-nos um pouco sobre como será este projeto e quando será lançado.
A.N.: Sim, este é um projeto que tenho, que foi impulsionado justamente pela minha trajetória inicial. Eu não tinha acesso a informação, tinha vontade, curiosidade e o desejo de aprender, mas não tinha acesso.
Mesmo hoje em dia, que existem muitas opções, ainda assim nem todos têm como se deslocar para cidades ou países que oferecem bons cursos. Tive então a ideia de criar um curso completo em DVD para iniciantes, justamente para atender aquelas pessoas que não têm tempo ou possibilidade de deslocamento.
O meu projeto é fazer um DVD com o curso passo a passo, com tudo explicado, mostrado de perto e que realmente atenda este público. Já o lançamento, a previsão é que seja este ano.




QBM: Você já compareceu em algum show de bonecas? Como foi a sua experiência?
A.N.: Ano passado estive em Madri onde fui a duas feiras de bonecas. Para mim, foi uma experiência fantástica, pois além de ver trabalhos fantásticos de colegas, estar em contato com artistas renomadas é sempre um ambiente que me inspira muito.

QBM: Muitos artistas estão sempre buscando por inspiração. Essa inspiração vem de seus artistas favoritos, bebês reais ou intuição. De onde vem a sua inspiração?
A.N.: Eu penso que é um conjunto.  Não conseguiria separar. Tem duas artistas (uma espanhola e a outra russa) que me inspiram muito, o trabalho delas pra mim é uma fonte inesgotável de inspiração.
É lógico que a intuição também é fundamental, mesmo que seja em uma boneca por encomenda, onde o cliente escolhe como quer, não posso deixar de lado a intuição e a inspiração, não tem como separar. Já bebês reais são fundamentais, afinal, a proximidade do realismo são impulsionadas por bebês de verdade. Sempre que posso estudo traços, tonalidades de pele e detalhes dos bebês de verdade.





QBM: Além de trabalhar com arte reborn, o que você gosta de fazer no tempo livre ou para se divertir?
A.N.: Então, são tantas coisas, mas o que eu mais gosto de fazer no meu tempo livre é ficar com minhas gatas (tenho 3 gatas, 2 Bengals e uma Persa bem velhinha), jogar xadrez, vídeo game, e claro, quando tenho algum período de férias, viajar.

QBM: A expansão da arte reborn trouxe um lado negativo consigo. Hoje em dia, temos visto algumas empresas ao redor do mundo que estão reproduzindo muitos kits de bonecas sem permissão do escultor e vendendo em lotes ou individualmente com valores abaixo do mercado. Infelizmente, esse mercado inadequado atrai muitas pessoas que estão a procura de material barato sem saber a procedência.
A QBonecas Magazine está triste com o caminho que a arte reborn mundial está traçando. Desde o primeiro exemplar, procuramos alertar a comunidade reborn referente a prática indevida sobre a compra de kits que não são originais. Nós incentivamos e somos a favor do uso de kits originais.
Qual a sua opinião a respeito disso? Você tem algum bom conselho para a comunidade reborn?
A.N.: Este é um assunto importantíssimo e que infelizmente assombra a arte reborn atualmente. É inaceitável que pessoas utilizem estes moldes, e um perigo para quem compra, pois ao comprar uma boneca “mais barata” devido a estes moldes falsificados, ao invés de estar fazendo um  “bom negócio” o comprador poderá estar colocando em risco a sua saúde e dos seus filhos, pois o material usado para produção irregular destes kits não tem controle dos químicos, e a composição deste vinil pode ser tóxico.

Creio que devesse haver mais divulgação e informação sobre estes kits, sobre os riscos e também uma fiscalização sobre as “artistas” que vendem este tipo de produto.
É triste ver que há pessoas que na ânsia de poupar algum dinheiro comprem estes produtos. É inadmissível ver pessoas que se dizem artistas alimentar este mercado utilizando moldes falsificados e enganando clientes.

Sou terminantemente contra, e fico muito chateada com esta situação, pois é um desrespeito com as escultoras, com as artistas sérias e com clientes que muitas vezes são enganados.

O meu conselho para quem vai comprar uma boneca reborn é: Pesquise muito bem de qual artista vai comprar, veja site, trabalhos feitos por ela e sempre desconfie de preços abaixo do mercado, pois este é um forte indício da má procedência do molde.




QBM: E para finalizar, você já participou de algum concurso com alguma boneca de sua criação?
A.N.: Então, participei com dois bebês de minha criação em um concurso no Canadá, para escolha de protótipos para alguns moldes. E, para minha felicidade fui a vencedora com os dois bebês que participei. Foi uma emoção imensa, pois para mim, é uma conquista enorme ter os bebês que eu criei como modelos daqueles kits. Estou realmente muito realizada e sou abençoada por poder trabalhar com algo que amo.

Aproveito para agradecer a QBonecas Magazine por este bate-papo e de alguma forma contribuir com os leitores com alguma vivência, experiência ou inspiração.



Adriana Nicolodi, foi um prazer ter você em nossa revista. Te desejamos muita saúde e mais sucesso! Que você continue encantando a todos com a sua maravilhosa arte.

Acompanhe o trabalho de Adriana Nicolodi através das redes sociais:


Website – http://bebereborn.pt/
Email – adriana-nicolodi@hotmail.com
   

Nenhum comentário :

Postar um comentário